#Resenha: A Garota que Você Deixou para Trás

By Amanda Crônica - 09:00

Eu realmente não sei como eu vou fazer essa resenha, porque já faz um tempo que eu li esse livro (que foi comprado no catálogo da Avon, porque é mais prático e barato).

CUIDADO: CONTÉM SPOILERS
Mas vamos lá: 

Autora: Jojo Moyes
Ano: 2012
Editora: Intrínseca
Número de Páginas: 317
Nota: 4/5

RESUMÃO:
O livro conta a história de duas moças, em dois tempos diferentes que vão se intercalando.
A primeira moça é Sophie Lefêvre, na França de 1916 (segundo o resumo do livro e alguns dados da própria história, Primeira Guerra Mundial).
A segunda moça é Liv Halston, em Londres dos anos 2000.

HISTÓRIA DE SOPHIE:
Sophie vivia em paz até que os alemães tomaram conta de seu hotel na Primeira Guerra Mundial (explicando um pouco o conceito: pelo que eu pesquisei pra refrescar minha memória confusa, na primeira fase da Primeira Guerra Mundial a Alemanha invadiu a França e foi tomando conta de tudo, então não confundam com a Segunda Guerra Mundial). Seu marido tinha ido lutar na guerra há um tempo e deixado apenas um quadro, que era o retrato de Sophie. A moça mantinha o quadro pendurado no hotel, e ele era observado constantemente por um general alemão.
Um dia, a moça descobriu de algum jeito que seu marido foi "encaminhado" pro trabalho forçado (o que me lembrou muito os campos de concentração do holocausto da Segunda Guerra Mundial, mas no passado de Sophie não havia judeus sendo mencionados, nem a palavra holocausto, nem os nazistas, apenas os acontecimentos são um tanto quanto parecidos, o que me deixou um pouco confusa também).

Pausa pra explicar um pouco o conceito de Primeira e Segunda Guerra: A Alemanha perdeu a Primeira Guerra Mundial, que foi finalizada com o Tratado de Versalhes (nada mais do que um acordo de paz entre países europeus). Só que a Alemanha se ferrou um pouco nesse tratado, o que foi um dos motivos para a Segunda Guerra Mundial (aí depois entraram o Hitler, os nazistas, o holocausto e etc).

Ok, continuando. Sophie ficou apavorada, pois soubera que muitos homens morriam naquele "trabalho forçado", que envolvia um uniforme listrado (alguém mais lembrou do O Menino do Pijama Listrado, que tem como cenário a Segunda Guerra?), e carregar objetos pesados nas costas, como bigornas, por exemplo. 
Ela não queria que seu marido morresse, sentia saudade dele o tempo todo e queria muito encontrar-se com ele, então ela tentou um acordo com aquele general que ficava encarando o quadro: se ele ajudasse-a a encontrar o marido e ainda mantê-lo em segurança, ela transaria com ele e ainda daria o quadro. Porém, o general se decepcionou com o sexo e expulsou ela do quarto, que voltou para casa toda esfarrapada, no frio, no meio da madrugada. SPOILER 
Ela ainda acreditava que ele manteria o acordo quando foi levada em um caminhão alemão, sem saber para onde estava indo (ela achava que era pra encontrar o marido, e que ela estava no mesmo caminhão que as outras mulheres apenas para disfarçar). O quadro não foi junto com ela.

HISTÓRIA DE LIV:
No futuro, Liv tinha esse mesmo quadro pendurado em sua casa. Ele era um presente que ela tinha ganhado de seu finado marido, na lua de mel. Ainda em luto, ela se apegava no quadro como a lembrança mais fiel que ela tinha de seu amor.
Um dia ela pensou "ok, preciso sair um pouco de casa e superar esse luto", e foi para um bar, onde encontrou um homem. Porém, na hora de voltar para casa, esqueceu a bolsa que continha dinheiro para pagar uma dívida. Muito dinheiro.
Por sorte, o homem era ex policial, achou a bolsa e graças a um ex colega de trabalho conseguiu devolver a bolsa para Liv. Aí pintou um clima: eles saíram mais algumas vezes, foram se conhecendo, até que ele foi para a casa dela para "ver um filme" (se é que vocês me entendem). Na hora "h", ele viu o quadro pendurado na parede, ficou chocado e na hora já quis ir embora da casa dela (que não percebeu que era por causa do quadro).
SURPRESA: Esse homem trabalhava como advogado numa causa específica: quadros desaparecidos na segunda guerra mundial e devolução deles para sua família de origem.
Ou seja: ele passou boa parte do livro querendo devolver o quadro de Liv aos descendentes de Sophie. E sim, deu muita treta.

Aí você deve estar pensando: "como assim segunda guerra, se o quadro é da época da primeira guerra?". No livro, os personagens perceberam que o quadro era da época da Primeira Guerra Mundial, e descobriram de algum jeito (que eu não vou contar aqui) que ele foi roubado por nazistas na Primeira Guerra (que curiosamente acabou mais ou menos no ano de 1917), e passado de alemão para alemão (inclusive durante a Segunda Guerra) até chegar nas mãos de Liv.
Você pode estar pensando também: quando foi a primeira fase da Primeira Guerra Mundial, quando os alemães invadiram a França? A ocupação na França continuou até o final da guerra?
A resposta para a segunda pergunta é apenas um sonoro e sarcástico: provavelmente, já que o que acabou com a guerra foi um acordo de paz que livrou vários países das garras da Alemanha. E a resposta para a primeira pergunta é: faça que nem eu e pesquise, cansei de dar aula de história rsrsrs.

Depois de toda essa lenga lenga, eis a minha opinião sobre o livro: 
Apesar de na leitura eu ter ficado um pouco confusa com os conceitos de Primeira e Segunda Guerra, eu adorei, apesar de o final ser meio tosco, tipo "cansei dessa enrolação, vou resolver tudo do nada". 
Eu gosto de livros que remetem a alguma parte da história do mundo, e fico feliz que um livro tenha me levado a pesquisar e reaprender um conteúdo de ensino fundamental (verdades rsrsrs). Minha memória nem sempre está do meu lado mas eu amo aprender, então tá valendo.

Alguém aí ficou com vontade de ler e não se incomodou por eu ter contado uma boa parte do livro? Comente ;)

  • Share:

Vc pode gostar tbm:

0 comentários

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.