A internet matou o jornalismo ou o consumidor também tem culpa?

By Anônimo - 09:00

"O jornalismo morreu". Você já deve ter visto essa frase em algum lugar, não é mesmo? Minha pergunta é: você concorda com ela?
Desde a década de 90, a internet vem fazendo cada vez mais parte do dia a dia da população. No Brasil, o primeiro jornal online foi o Jornal do Brasil, que foi lançado em 1995, inspirado nos jornais estadunidenses (o jornalismo online teve início nos Estados Unidos).
Com o crescimento da internet foram surgindo os primeiros meios de contato online: e-mail, classmates (primeira rede social do mundo, criada na América do Norte com o objetivo de reunir colegas de escola - por isso o nome "classmates = colegas"), Friendster, mIRC, etc. Um tempo depois surgiram redes sociais mais conhecidas, como My Space, Orkut, Fotolog, Twitter até chegar a rede social mais usada mundialmente: o Facebook (que foi lançado em 2004, mas só passou a ser popularizado depois de 2010, com a queda do Orkut).

A internet atual é cheia de conteúdo, seja ele informativo ou não. E o que mais faz com que as pessoas gostem da internet é que elas podem consumir o que quiserem, quando quiserem, diferente da televisão, que para assistir um determinado programa é necessário sintonizar um determinado canal, em um determinado horário.
Segundo pesquisas, 44% da população brasileira não lê e 30% nunca comprou um livro. As pessoas leem no máximo quatro ou cinco textos por mês (quando muito), e no máximo quatro livros por ano.
No you tube, os vídeos mais acessados são os de comédia, com gente tomando banho de nutella, se cobrindo de amoeba, comendo uma colherona de canela, etc. Quem produz esse tipo de conteúdo sabe que vai fazer sucesso e ganhar dinheiro, por isso o faz.
Os menos acessados são os informativos, falando sobre temas sérios como política, feminismo, racismo, etc. E mesmo quando são acessados, poucos são os que vão atrás de uma segunda fonte sobre o assunto, e se o ser que estiver falando no monitor for um ídolo do espectador, as chances de ele pesquisar mais sobre o assunto caem ainda mais, pois a admiração é cega e excessiva. O fã acredita que seu ídolo está sempre certo.

O jornalismo tem como principal função manter a população informada sobre os acontecimentos mais importantes. As pessoas precisam saber o que está acontecendo em Brasília e nas prefeituras de suas cidades. Elas precisam se informar sobre o andamento da operação Lava Jato. Precisam saber como funciona um processo de Impeachment, como uma lei é criada, etc. Elas precisam saber como está a situação da segurança de determinados locais, caso precisem ir para lá. 
Entretanto, não é raro nos deparamos com manchetes como "Kéfera Buchmann pinta o cabelo de loiro e a internet não perdoa", "Larissa Manoela termina o namoro e quebra a internet", "Felipe Neto fala que PC Siqueira fuma maconha e gera um rebuliço". 
Será que a culpa é apenas do jornalismo? 

Entenda: 
Para que o jornalismo se mantenha em pé, ele precisa de audiência. E como foi dito anteriormente, as pessoas não se interessam sobre política, economia, educação e outros temas sérios que influenciam em sua qualidade de vida. Em vez disso, essas pessoas têm como preferência a vida amorosa da Larissa Manoela e os "lacres" da Maísa.
Antes que me interpretem mal, não odeio nenhum indivíduo mencionado nesse post, são apenas exemplos do que a população atual prefere consumir. Até mesmo aqui no blog textos como os que você está lendo agora estão mais raros.
Como o jornalismo depende dos acessos para se manter ativo, ele se adapta às preferências de seu interlocutor.


"Mas o jornalismo só ganha dinheiro dos acessos? E a publicidade?"Quando uma propaganda aparece num jornal, é porque esse espaço foi comprado por algum anunciante. Este anunciante pagou porque queria ser visto.

Porém, se ninguém tiver interesse no conteúdo daquele veículo, ninguém vai ler, e o dinheiro gasto pelo empresário terá sido em vão. Isso gerará prejuízo para ele e para o jornal, que perderá anunciantes por conta da baixa no consumo, e se não conseguir recuperar os clientes, acabará falindo.


Então antes de culpar o jornalismo, pense sobre o que você anda consumindo diariamente. As notícias irrelevantes não estariam lá se não tivessem tantas pessoas interessadas em ler. 
Os jornais atuais falam não apenas sobre um assunto: falam sobre entretenimento, esporte, política, economia... isso para alcançar os mais diferentes nichos e não perder o caráter informativo que o jornalismo deve ter.
Ainda há informação para ser consumida, então use-a. Fale sobre isso com seus amigos e familiares. Sozinho ninguém consegue mudar nada, mas se cada pessoa se comprometer em acessar as informações necessárias, as manchetes futuras poderão se tornar mais úteis.

Fontes:

  • Share:

Vc pode gostar tbm:

2 comentários

  1. Adorei seu texto, de verdade! Quando comecei a faculdade de Jornalismo aprendi tanta coisa que nunca imaginaria aprender, e uma dessas coisas é que por mais que um veículo de comunicação tenha o objetivo de informar as pessoas, ele é uma empresa que precisa ganhar dinheiro para pagar seus funcionários e etc. então, com certeza o veículo irá para o lado que vende mais e dá mais repercussão, afinal quanto mais repercutir, mas dinheiro ele vai ganhar, exatamente como você mencionou no texto.

    É uma discussão válida e importante não só para nós futuros jornalistas, mas também para as outras pessoas que não sabem como o jornalismo funciona de fato.

    Como disse antes, amei seu texto <3

    Beijos
    Inverno de 1996

    ResponderExcluir
  2. Vim aqui novamente, acho que dei uma stalkeada no seu blog, sorry honey! :)
    Mas, concordo, já tinha visto sobre a pesquisa citada acima a respeito dos leitores e das pessoas que "consomem" livros e textos, tem diminuído realmente, as pessoas ficaram preguiçosas quando se trata de ler, engraçado é que a maioria fala que a Rede Globo de TV é uma rede comprada por grupos de políticas (sabemos muito bem o que aconteceu durante a Ditadura no Brasil), mas não largam o canal para assisti jornal.
    Mesmo que não gostem o Jornal Nacional ainda é referência em jornalismo de qualidade e informação.
    Mas, retornando, as pessoas têm perdido o hábito de leitura, eu sinceramente ainda não consigo consumir conteúdo "desnecessário" na internet, procuro mais livros e blogs de leitura, que contenham um material de entretenimento mais bacana, legal de ser lido. :)

    https://j-informal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.